Barómetro
Fev, 07, 2019

Barometro nova imagem



Barómetro Fiscal - 1º Trimestre 2019

A Ordem dos Economistas apresenta novamente o seu barómetro trimestral, fonte exclusiva de informação sobre a perceção dos nossos membros (economistas e gestores) sobre os mais variados assuntos da Economia portuguesa.

 

Este 1º barómetro de 2019 contou com cerca de 600 contributos, dando resposta às principais questões relativas aos temas da Europa (“Brexit” e Eleições Europeias), da banca portuguesa e das relações com Angola. 

 

Clique aqui para ter acesso ao documento

Notícias

Público


____________________________________________________________________

Barómetro Fiscal - 4º Trimestre 2018

A Ordem dos Economistas divulga o seu Barómetro trimestral de Fiscalidade, referente ao 4º trimestre de 2018, que visa não só monitorizar a situação atual do sistema fiscal como também abordar a perspetiva dos seus membros sobre o futuro da Economia portuguesa neste ano de 2019.

Clique aqui para ter acesso ao documento

Notícias

Público



Barómetro Fiscal - 3º Trimestre 2018

Os Economistas consideram que a Economia em 2019 se deverá manter estável e que o bom desempenho das contas públicas se deve sobretudo a uma maior receita fiscal, também impulsionada pelo crescimento do turismo e da procura interna. Questões mais imediatistas deverão dar lugar à implementação de reformas estruturais, com especial enfoque para a reforma da administração pública e para a urgência e celeridade da diminuição da dívida. Por fim, medidas que visem a atração de investimento deverão ser mantidas, se bem que com especial atenção pelo hiato da sua igualdade para com os residentes.

Clique aqui para ter acesso ao documento

 

Notícias

Público

 

 

Barómetro Fiscal - 2º Trimestre 2018

Apresentamos agora os resultados do 2º trimestre de 2018, cujas respostas foram obtidas durante o mês de Junho e que totalizaram 487 participantes. 


O nosso objetivo é compreender como os membros da Ordem percecionam diferentes valências e aspetos do sistema fiscal. Os membros da Ordem, sendo parte integrante e ativa do nosso tecido económico e empresarial (em empresas, institutos, universidades, associações, etc.), têm uma visão profunda e conhecedora da realidade económica do país. 


Neste segundo trimestre mantivemos as duas áreas centrais relativas ao sistema fiscal: a questão da carga fiscal e a atratividade do sistema fiscal para as empresas e o investimento. Tendo uma base trimestral, permitirá acompanhar, para cada uma das questões, a evolução da opinião dos membros ao longo do tempo. 


Contudo, introduzimos uma temática específica, que se prende com o OE/2019, a ser apresentado pelo governo a 15 de outubro. 


Nessa parte temática, perguntámos aos membros da Ordem o que entendem que o governo deve fazer para 2019, se existir alguma “margem orçamental”. Tendo em conta a difícil situação das contas públicas nacionais nas ultimas duas décadas e o valor elevado da dívida pública, a maioria rejeita aumentos de despesa. De fato, só 13,9% preferiam um aumento de despesa na área da saúde, sendo que 3,5% preferia aumento de despesa em educação. A maioria divide-se: 41,8% prefere uma consolidação orçamental mais exigente. Isto é, menos défice e logo uma redução mais rápida da dívida pública. Já 40,8% prefere canalizar alguma “margem orçamental” para uma redução da carga fiscal (E aqui quase 50% prefere uma redução do IRS, sendo que 20% optaria por reduzir o IRC e 20% por reduzir o IVA). 
A conjuntura favorável que as economias mundial e europeia atravessam tem-se refletido no comportamento da economia portuguesa. Assim, não espanta que a maioria dos membros tenha referido que a economia nacional melhorou no último ano. Apenas 20% entende que piorou. No entanto apenas 34% considera que a economia Portuguesa está mais competitiva que no ano passado. Aqui a maioria entende que está igual ou pior. A situação agrava-se quando se pergunta aos membros da Ordem a sua perspetiva para 2019. Apenas 22% afirma que vai melhorar. Já 39% acham que ficará igual, mas 38% entende que vai piorar ou piorar muito. Os sinais de desaceleração da economia europeia e portuguesa, aliados a um menor fulgor do turismo, começam a dar os primeiros sinais. 


No restante, em que repetimos as perguntas do 1º trimestre, tivemos, naturalmente, resultados muito próximos. No que diz respeito à carga fiscal, a maioria das respostas aponta para uma carga fiscal elevada ou muito elevada. 

Clique aqui para ter acesso ao documento

 

Notícias

Público 

 



Barómetro Fiscal - 1º Trimestre 2018

O Barómetro Fiscal, iniciativa realizada pela Ordem dos Economistas através de um inquérito junto dos seus membros foi publicado, no jornal Público (edição impressa e online) apontam para uma perceção da carga fiscal em Portugal não só elevada, como também mais alta do que nos restantes países da União Europeia. Ao mesmo tempo, é percecionado pouco retorno dos serviços do Estado, tendo em conta os impostos que pagos.

 

O inquérito da Ordem dos Economistas avaliou ainda a atratividade do sistema fiscal, concluindo que a maioria dos economistas caracteriza o sistema fiscal como neutro ou negativo para as empresas e o investimento. Ao mesmo tempo, a fiscalidade é vista como instável ou muito instável.

 

Assim, como prioridade para melhorar o sistema fiscal português, este barómetro aponta para a necessidade de estabilidade fiscal e para uma carga fiscal mais baixa e menores custos de contexto, assim como uma simplificação do sistema fiscal.

 

Clique aqui para ter acesso ao documento

 

Notícias

Público 

https://www.publico.pt/2018/04/02/economia/analise/carga-fiscal-percecoes-e-realidade-1808833

Eco

https://eco.pt/2018/04/02/economistas-consideram-carga-fiscal-muito-alta-e-com-baixo-retorno-de-servicos-publicos/


 

eventos
23
ABR
2019
07
MAI
2019
Conferências e Debates
Apresentação do Rating Municipal Português
Fundação Calouste Gulb...
09H30
11
MAI
2019
Passeio
ECOPEDAL - Economistas com Pedal
Percurso: Farol da Boa...
08H30
publicidade
cadernoseconomia
Contactos
geral@ordemeconomistas.pt
Telf.: 213 929 470
Fax: 213 961 428
Rua Ivone Silva, Edifício Arcis, Nº 6 - 5º andar
1050-124 LISBOA
PORTUGAL
Horário dos serviços: Dias úteis (9h-13h / 14h30- 17h30)  Contactos dos Serviços:Telefones
Contacte-nos
para qualquer informação
newsletter
fique a par das últimas notícias